8 de mar de 2015

O que você não quer

Lendo as atualizações da minha timeline vi algo que alguém importante me ensinou há mais de quatro meses e que talvez eu tenha esquecido em algum momento da caminhada e agora a linda, Dona Oncinha me relembrou com detalhe, doçura e simplicidade:


"Posso não saber exatamente o que eu quero da vida, mas o que eu não quero para mim eu tenho certeza. Talvez seja isso que realmente importa." (Ju Manzato)

Diversas vezes na vida a gente se percebe com tantas possibilidades, opções e caminhos alternativos que se apresentam como aparentes soluções aos problemas, obstáculos ou dificuldades,  que qualquer um de nós sendo seres humanos, vai enfrentar com diferentes graus de intensidade em algum momento da vida, que acabamos vivendo as dualidades de ter que escolher o que queremos pra nós e é exatamente aí que começa a real dificuldade: o que eu quero pra mim? o que é melhor pra mim?


Imagem: reprodução

Eu, particularmente, sou alguém, que sempre precisar da influências externas, abro milhões de possibilidades para tudo na vida (já ouvi isso inclusive na vida profissional), só que as probabilidade de se perder é proporcional a quantidade de possibilidades que se tem. Isso porque para transpor qualquer barreira através de qualquer possibilidade é necessário saber o que se quer, e tem coisa mais difícil do que saber o que desejamos viver pra vida toda ou pelo menos por um longo período de tempo?

É bem mais fácil pensar no quão longe eu posso ir e por quantos caminhos posso chegar a diferentes destinos, do que saber com exatidão aonde está a placa de chegada. E foi aí que eu descobri que talvez eu não precise saber com certeza absoluta e definitiva o que quero pra mim, pois na verdade o imprescindível é saber o que jamais, em tempo algum, de maneira nenhuma quero pra mim.

Quando você toma consciência disso, mesmo sem perceber já trilhou 50% do caminho certo para alcançar aquilo que inconscientemente deseja e mesmo sem se dar conta é o melhor pra você. Quando você saber o que não quer pra você é sinônimo de que você se conhece e se respeita o suficiente para entender e respeitar seus próprios limites e não permitir que nada externo, nem ninguém faça isso.

Claro que também não é fácil descobrir o que não se quer e quando se descobre também é preciso um exercício diário para relembrar e reajustar os "não-desejos", porque com o tempo tantas coisas vão se acumulando na nossa rotina e temos tantas outras prioridades que perdemos esse foco, mas há sempre algo ou alguém para nos trazer a memória.

Então um conselho sincero de quem foi relembrada do que não quer pra si, hoje, é:

Você pode, na realidade tem o direito de não saber o que quer pra você! Mas tem a OBRIGAÇÃO de saber O QUE VOCÊ NÃO QUER!

Reserve um tempo pra você, pense nisso e se possível, até faça uma lista, e sempre releia para não esquecer e  se necessário fazer ajustes também, pois como humanos somos seres mutáveis.

Beijos, Sther! ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário