16 de dez de 2010

Um bom dia para começar...

Hoje foi um dia de muitos acontecimentos, então acredito que um bom dia para começar. 
Vejamos...

A partir de 1º de fevereiro os deputados e senadores passam a ganhar R$ 26.723,13.
Coincidentemente ou não foi o primeiro dia do ilustre deputado federal Francisco Everardo Oliveira Silva, o mais votado nas eleições de 2010, no qual ele defendeu a educação como prioridade.
No que diz respeito aos novos ganhos das duas casas mais cobiçadas do Brasil, podemos notar que excepcionalmente o congresso votou em 5 minutos o aumento de salário, que a propósito chegou ao teto salarial do STF, logo, muito em breve teremos, TAMBÉM, o reajuste salarial para os mesmos [ministrosdoSTF], pois já tramita na Câmara um projeto para elevar o salário do STF para R$ 30.675,48. Se não bastasse o efeito cascata que será provocado por esse reajuste de 61,8% para os senadores e deputados e 133,9% para a nossa primeira presidente.
Os únicos TRÊS votos contrários, com suas devidas justificativas foram:

A senadora Marina Silva (PV-AC) apontou a baixa média salarial do país e a necessidade de corte de gastos públicos. Marina justificou sua posição dizendo que o momento atual é de grave crise econômica global e que, embora o Brasil não tenha sido "dramaticamente afetado" por seus efeitos, nenhum trabalhador recebeu aumento da ordem de 60%, como o que estava sendo proposto para os parlamentares e integrantes do Poder Executivo.

 “Gostaria de manifestar minha posição contrária. O mais correto seria um ajuste equivalente à inflação, como defende o Psol", declarou Marina.

O líder do Psol, senador José Nery (PA), apresentou voto contrário do partido. "Não tivemos a mesma coragem e determinação para aprovar o reajuste do salário mínimo para R$ 580 por mês. O governo e sua representação no Congresso não permitiram que [o aumento do mínimo] fosse de acordo com a inflação", criticou.

O líder do PSDB, senador Alvaro Dias (PR), disse concordar que há defasagem no salário dos parlamentares, mas que o aumento só seria plausível se viesse com um corte das verbas de gabinete. [...]


Continuando...

Podemos fazer a observação quanto à justificativa do senador Alvaro Dias (PR) que a verba de gabinete da Câmara do Distrito Federal é a maior do país (cerca de R$99 mil).

E quanto o candidato Paulo Maluf, que foi absolvido nesta segunda-feira, da ação por suposto ato de improbidade e fraude da licitação na aquisição de corte de frango congelado no período em que ocupou a cadeira de prefeito da capital paulista (1993-1996) – caso que ficou conhecido como “frangogate”.
Hoje ele esteve na cerimônia de entrega do premio "Os Brasileiros do Ano” afirmou ter certeza de sua diplomação na sexta-feira (17/12). E é claro que opinou sobre o nivelamento dos salários de deputados, senadores, ministros e do presidente, de uma forma bem peculiar: "Tem de ser político por vocação e não por salários", afirmou. "Eu não preciso disso, vocês sabem", disse, acrescentando que mora na mesma casa há muitos anos e continua casado com a mesma mulher, Sílvia.

Então, é isso por hoje...
Estamos apenas começando, assim a intenção é sempre melhorar...
Boa noite!

Nenhum comentário:

Postar um comentário